c Trambolhão: Marchas

terça-feira, maio 02, 2006

Marchas

A alameda dos meus sonhos está torta.
Tento seguir em frente mas os candeeiros altos que me iluminam,
De repente apagam a minha visao e fico sem saber mais onde é a passadeira segura.
As suas luzes transformam-se num frenesim de pisca-piscas trocados,
que nao se conjugam com a minha marcha,
nem com os meus sapatos de corrida novos.
Resolvo esperar pelo próximo táxi,
que me traga a um porto seguro.
Mas como o amarelo desperta a gula,
Atiro-me do veículo em andamento sem pensar mais do que uma vez.
Consumir um hamburguer deixa-me sempre mais leve.
Agora posso pensar.

12 Comments:

At 1:09 da tarde, maio 02, 2006, Anonymous Anónimo said...

há-de flutuar uma cidade no crepúscolo da vida
pensava eu... como seriam felizes as mulheres
à beira mar debruçadas para a luz caiada
remendando o pano das velas espiando o mar
e a longitude do amor embarcado

por vezes
uma gaivota pousava nas águas
outras era o sol que cegava
e um dardo de sangue alastrava pelo linho da noite
os dias lentíssimos... sem ninguém

e nunca me disseram o nome daquele oceano
esperei sentado à porta... dantes escrevia cartas
punha-me a olhar a risca de mar ao fundo da rua
assim envelheci... acreditando que alguem ao passar
se espantasse com a minha solidão

(anos mais tarde, recordo agora, cresceu-me uma pérola no coração. mas estou só, muito só, não tenho a quem a deixar.)

um dia houve
que nunca mais avistei cidades crepusculares
e os barcos deixaram de fazer escala à minha porta
inclino-me de novo para o pano deste século
recomeço a bordar ou a dormir
tanto faz
sempre tive dúvidas que alguma vez me visite a felicidade

 
At 6:32 da tarde, maio 02, 2006, Anonymous Anónimo said...

Por quê tanto desânimo, menina e moça do meu coração?
Há que esperar que o sinal fique vermelho para os carros e só atravessar depois com cuidado! Sem pressas, porque a vida é assim sem pressas!
E, ir comendo o hamburguer para ficar mais leve!

 
At 9:10 da tarde, maio 02, 2006, Blogger tiago said...

Olá bequinhas!
E eu pensava que só a calçada portuguesa causava irregularidades no pavimento... não te preocupes que não é pelas curvas que vais deixar de ter o que mereces, podes é demorar um bocadinho mais de tempo :) E, já agora, os macdonald's alemães também demoraram 10 MINUTOS a servir os hamburgers, como no Rossio? Sempre que me lembro da tua indignação farto-me de rir!
Beijinhos grandes e não deixes de dar corda aos ténis, o tempo é para aproveitar *

 
At 3:32 da tarde, maio 03, 2006, Anonymous Anónimo said...

"A alameda dos meus sonhos está torta."
Quem escreve estas frases?

 
At 9:31 da manhã, maio 04, 2006, Blogger Inês said...

Inês (Pq?)

 
At 4:17 da tarde, maio 05, 2006, Anonymous Anónimo said...

Porque "A alameda dos meus sonhos está torta." fascina.

 
At 2:33 da tarde, maio 06, 2006, Blogger CARUMA said...

«Barriga vazia não conhece alegria».
E, sobretudo, vontade de pensar.
Nos tempos que correm, até a famigerada carne picada é melhor que nada.

 
At 9:01 da tarde, maio 06, 2006, Blogger Inês said...

obrigada:)))).................assim dá-me gosto escrever..............

 
At 11:53 da manhã, maio 15, 2006, Blogger pedro said...

Parece que fechaste os olhos com muita força, até doer, e ficaste a ver as luzes a piscarem como se fossem estrelas, como se de repente e num ápice estivéssemos no cimo do Universo a olhar cá para baixo, a observar os planetas e as galáxias.

Tens de fechar os olhos mais vezes :-)

 
At 11:54 da manhã, maio 15, 2006, Blogger pedro said...

Ah! E tenho muitas saudades tuas eheheh

Bjs

 
At 12:15 da tarde, julho 25, 2006, Anonymous Tirupati said...

Que inicio tão belo tem este pedaço teu..."a alameda dos meus sonhos está torta"...tem um efeito dum certo pingo alucinogénico e estonteante...o estreitar da alameda dos sonhos causa um cambalear perdido na doçura do que poderá significar tal afirmação! gosto muito!! vou ler o resto, e espreitar o fundo do vórtice oferecido...

 
At 12:41 da tarde, julho 25, 2006, Anonymous Tirupati said...

diria mais...que a alameda dos sonhos é uma cornucópia espiralóide permanente;
a passadeira segura de hoje é o cruzamento de ontem e,possivelmente, passagem aérea amanhã...
se sonho,vôo na maior altitude a que me permito!..e as passadeiras no plano terreno tornam-se obsoletas...que sejam, os candeeiros, estrelas que nos guiem no sussurro da noite que se gere...
e bonita essa imagem que dás das sapatilhas de corrida!..imagino-te com as asas das sandálias de Perseu,com pressa na mudança...
bom devaneio geraste tu...gosto da forma como escreves!
um beijinho*

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home