c Trambolhão: sem titulo

terça-feira, outubro 24, 2006

sem titulo

No dia em que me senti mais perdida,
Olhei para o relógio e estava sem pulso.
No redor só havia mato grosso, sem Ney para me salvar.
No dia em que me senti mais segura, quebrei o serviço da minha sala de jantar,
E declarei guerra aos meus cozinhados imperfeitos.
No dia em que mais sorri, adormeci com lágrimas nos olhos pela morte do meu Bonsai.
Mas foi quando me senti mais impaciente, que troquei os sapatos pelas sandálias cor de feltro,
E me fiz à boleia.
Dum trajecto impossível, que me prometera a mim mesma não finalizar, para não finalizar a minha vida.

6 Comments:

At 6:36 da tarde, outubro 26, 2006, Anonymous Anónimo said...

Brilhante! Adoro os teus textos!

Chapéu de chuva amarelo

 
At 8:18 da tarde, outubro 26, 2006, Blogger Inês said...

chapéu de chuva amarelo, quem és tu?:))

 
At 10:32 da tarde, outubro 27, 2006, Blogger Gracinha said...

Agnes, é tão bom ler as tuas palavrinhas, tão simples, como tu, tão serenas e tão caídas a um acaso sem acaso. Distraídas... como tu. Beijinhos e saudades!

 
At 12:52 da manhã, novembro 02, 2006, Blogger Carlinha said...

Beijinho enooooooooorme inêzita. Miss you.
P.S.-acabaste por não ligar no outro dia que querias saber não sei o quê das aulas de cidadania... sua toininhas:) continua a escrever, escreve mais mais mais...

 
At 3:29 da tarde, novembro 08, 2006, Blogger pedro said...

Olha, a Graçinha também te chama Agnes como eu eheh

Já sabes que está óptimo Inês, não tenho de repetir.

Bjs,

Chapéu de chuva laranja

 
At 4:38 da tarde, novembro 08, 2006, Anonymous Anónimo said...

Sonhei que o fogo gelou
Sonhei que a neve fervia
Sonhei que ela corava
Quando me via
Sonhei que ao meio-dia
Havia intenso luar
E o povo se embevecia
Se empetecava João
Se emperiquitava Maria
Doentes do coração
Dançavam na enfermaria
E a beleza não fenecia

Belo e sereno era o som
Que lá no morro se ouvia
Eu sei que o sonho era bom
Porque ela sorria
Até quando chovia
Guris inertes no chão
Falavam de astronomia
E me jurava o diabo
Que Deus existia
De mão em mão o ladrão
Relógios distribuía
E a policía já não batia

De noite raiava o sol
Que todo mundo aplaudia
Maconha só se comprava
Na tabacaria
Drogas na drogaria
Um passarinho espanhol
Cantava esta melodia
E com sotaque esta letra
De sua autoria
Sonhei que o fogo gelou
Sonhei que a neve fervia
E por sonhar o impossível, ai
Sonhei que tu me querias

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home