c Trambolhão

sexta-feira, outubro 19, 2007

Atravesso um deserto grande.
Com a textura de um pêssego.
A gota de água suspensa na garrafa transparente,
A minha língua encolhida no céu da boca.
Cada passo que dou é menos um a contar do fim,
Mas eu não sei onde pára o fim do meu deserto.
Cedo pousarei a cabeça junto à pedra,
Em busca de um qualquer sinal de reconforto à sombra.
Consigo finalmente repousar os meus pés suados.
No deserto o tempo escorre a conta gotas,
Como o passo lânguido do meu camelo.
A pressa esconde-se nas rochas,
Temos o dia inteiro para alcançar o fim.

4 Comments:

At 11:04 da tarde, outubro 19, 2007, Blogger Orlando Nascimento said...

Sempre que leio um novo post teu fico a pensar nele.
Por dois motivos: porque escreves maravilhosamente, e porque não consigo descortinar por completo o sentido do que escreves.
Mas GOSTO desse véu enigmático das tuas palavras. Há sempre ali qualquer coisa...

Bjinho grande deste iletrado... lol

 
At 11:41 da manhã, outubro 22, 2007, Anonymous Anónimo said...

Realmente é enigmático!

 
At 12:02 da tarde, outubro 22, 2007, Blogger Inês said...

Eu sei que é enigmático, mas por vezes nem eu própria sei bem o que significam estas palavras. É como se se tratasse de um sonho, estou a ter uma imagem de um filme por exemplo... É mais por aí... Claro que significados também terá de ter, mas sempre a um nível muito mais inconsciente.
Dou liberdade a cada um para retirar os significados que quiser.

 
At 1:43 da tarde, outubro 23, 2007, Anonymous Anónimo said...

Lindo

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home