c Trambolhão

quinta-feira, dezembro 27, 2007

A tinta voluptuosa escorria da caneta oferecida,
A par e passo com tamanha escrita lânguida,
A lentidão de um perna hesitante, correspondia ao ritmo saboroso de um pulso tímido,
Cuja pulsação marcava o compasso de um relógio interno ainda resistente.
Esperavas que abrissem a porta pesada sem ranger,
Não a querias fechada.
Deixavas o coração por preencher como o céu azul, azul, ainda sem o rasto de algum avião.
As gotas de tinta afundavam-se no turbilhão de um oceano escuro de memórias,
Embalado nas pontas de dedos de bailarina que carregavam o fogo e sal de feridas antigas,
Que enchiam copos de vinho nas vésperas de batalhas gloriosas,
Carregavam munições com o instinto fatal dos cegos ignorantes,
Penduravam a bandeira às costas tornando-se presas fáceis na mira do atirador,
Sem o medo, que ao ser escrito, se tornava num breve e fugaz som,
Cortado pela seiva das suas raízes mais profundas,
Abandonava-se a ser possuído pela vida.

6 Comments:

At 11:40 da manhã, dezembro 29, 2007, Anonymous Pior pessoa do mundo said...

Desconexo e sem rumo....tens de afinar a parte esquerda do cerebro...

 
At 7:22 da tarde, dezembro 29, 2007, Blogger Inês said...

Pior pessoa do mundo, hoje quando acordaste estava sol?

 
At 3:26 da tarde, dezembro 30, 2007, Blogger Orlando Nascimento said...

Serei repetitivo.... mas GOSTEI! :)
Bjinho

 
At 9:30 da tarde, janeiro 02, 2008, Anonymous CresceNet said...

Gostei muito desse post e seu blog é muito interessante, vou passar por aqui sempre =) Depois dá uma passada lá no meu site, que é sobre o CresceNet, espero que goste. O endereço dele é http://www.provedorcrescenet.com . Um abraço.

 
At 6:44 da tarde, janeiro 04, 2008, Anonymous pior pessoa do mundo said...

o q tu queres sei eu...

 
At 2:50 da tarde, janeiro 05, 2008, Blogger pedro said...

E depois apareceram os teclados e perdemos as canetas

 

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home